Class News

A primavera e o outono chegaram aos seus respectivos hemisférios e ao mundo da moda de uma forma bem mais discreta do que nos anos passados. A pandemia enfrentada por todo mundo afeta também o mundo da alta costura, mas ao mesmo tempo a expectativa para o fim do ano renova a esperança e otimismo para retomar, dentro do possível, às velhas rotinas

Sair de casa é um velho hábito que ainda está começando a ser retomado pela sociedade. E ir às compras para renovar o guarda-roupa não é ainda uma prioridade para muitos. Mas, conforme lembra a Personal Stylist, Filipa Diniz, “visualizar as principais tendências da nova estação e idealizar como é que as podemos pôr em prática assim que tudo isto voltar ao normal, é possível e pode ser feito através de dentro de casa”.

Para esta final reta final de 2020, a sustentabilidade tem liderado grande parte das discussões na indústria da Moda. “Hoje é importante perceber como é que a pegada ecológica de uma marca pode ser potencializada. Quão verde é o desfile? Quão sustentável é a visão? Quão circular é a economia? Estas questões ecoam mais alto do que qualquer tendência anunciada nas passarelas de Nova Iorque, Londres, Milão e Paris”, detalha Filipa.

Filipa lembra que a moda está cada vez mais consciente de si e daquilo que pode fazer para minimizar o seu impacto no planeta. “Entre as marcas que já anunciaram esse compromisso temos Gabriela Hearst que apresentou a sua coleção num desfile totalmente carbon-neutral”. Já a Gucci anunciou uma meta para atingir a neutralidade das emissões de carbono através de uma combinação de redução e compensação de todas as emissões de carbono da marca. Marine Serre é uma grande adepta do upcycling. Stella McCartney apostou em novos materiais. A Dior usou árvores na passerelle que depois iriam ser plantadas em zonas urbanas da cidade luz. E a dupla Justin Thornton e Thea Bregazzi, da Preen by Thornton Bregazzi, idealizaram algumas peças com os excedentes de tecidos das estações anteriores.

Mas, e a roupa? Em suma, as marcas estão a apostar cada vez mais na sua identidade e em peças de assinatura. Em Lisboa, a Charmers Lisbon é um espaço onde pode se encontrar estas peças que se tornarão as tendências para os próximos meses: “apostar em clássicos é importante, o que não deixa de ser uma boa notícia para os staples do nosso guarda-roupa: o denim, os trench-coats e todas aquelas camisas que ainda não usou, têm agora um momento para brilhar através de novas combinações”, finaliza Filipa.