Class News

A professora da Estácio, Daniella de Brito, orienta sobre medidas para ter um controle na alimentação durante o isolamento social

Com a pandemia do coronavírus e a necessidade de isolamento social, muitos desafios surgiram. Entre eles, a necessidade de manter uma alimentação saudável. Sendo que a forma como as pessoas comem talvez seja um dos mais difíceis hábitos para as pessoas controlarem. Em relação ao consumo alimentar, a professora de nutrição da Estácio de Goiás, Daniella de Brito, afirma que durante o período de isolamento, é preciso tomar bastante cuidado com a alimentação. 

Segundo a nutricionista, neste momento é comum que as pessoas consumam muitos produtos industrializados, prejudicando o objetivo de uma alimentação balanceada. “Costumo dizer no consultório e na sala de aula que devemos descascar mais e desembalar menos. Ou seja, precisamos optar por alimentos mais naturais dentro de casa. Neste período de isolamento, não é diferente. Devemos tomar os cuidados básicos com o coronavírus, sem esquecer de outros cuidados, como a alimentação”, adverte a profissional. 

Daniella revela que a ansiedade pode ser um grande “inimigo” da alimentação neste período de quarentena. “A ansiedade sempre foi um grande rival da alimentação saudável. As pessoas comiam compulsivamente por conta da escola, faculdade, trabalho, família, relacionamentos e diversos outros motivos que estavam ansiosas. E agora é comum que as pessoas se sintam ansiosas com isolamento, isso pode desencadear muitos distúrbios alimentares e gerarem problemas futuros”, alerta a professora da Estácio. 

A nutricionista explica ainda que, mesmo com esse sentimento, é possível controlar a ingestão de produtos para chegar ao fim da quarentena com a alimentação balanceada. “É muito importante estabelecer um plano alimentar. As pessoas procuram os nutricionistas para montar um roteiro alimentar de acordo com a sua rotina, e na quarentena deve ser da mesma maneira. Planeje quantas alimentações você fará por dia e o que você pretende consumir em cada uma. Entre os intervalos de uma refeição para a outra é importante manter a mente ocupada com a prática de atividade física, uma atividade de lazer, um curso online, uma atividade do trabalho ou algo do tipo”, orienta. 

Ela afirma, também, que existem alimentos que diminuem esse sentimento de agonia ou ansiedade. “Além de consumir verduras e frutas, para deixar essa rotina de confinamento mais saudável e menos cansativa, por que não adicionar os chás ao plano alimentar? Chás de camomila, casca de maracujá e melissa ajudam a combater a ansiedade. Alimentos ricos em triptofano (principalmente), magnésio, selênio e probióticos também auxiliam”, explica Daniella. 

A professora da Estácio conta que é comum sentir a necessidade de comer chocolate neste momento de ansiedade, o que pode ser uma “bomba relógio” para quem tem uma luta contra o peso. “Algumas pessoas me contaram que sentem um desejo incontrolável de comer chocolate nesta quarentena. A minha orientação para essas pessoas é que procurem alimentos com triptofano, como Leite e derivados, ovos, carnes magras, banana, cacau 100%, castanhas e aveias, que assim estimula a produção de serotonina no organismo. Mesmo assim, se as pessoas não conseguirem controlar esse desejo, é recomendável que consuma em pequenas quantidades chocolates amargos ou meio amargos de qualidade”, finaliza a nutricionista.